Todos as mensagens anteriores a 7 de Janeiro de 2015 foram originalmente publicadas em www.samuraisdecristo.blogspot.com

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Crise dos Migrantes: O Fim da Europa.





Não é possível passar os olhos pela Internet nos últimos dias sem deparar com uma quantidade enorme de “informações” e “opiniões” sobre os refugiados e migrantes que se amontoam às portas da Europa. A maior parte das vezes deparamo-nos com fotografias, vídeos, frases soltas que tentam provar ou que aqueles que agora tentam entrar no nosso continente são terroristas ou então que qualquer pessoa que seja contra a sua entrada na Europa é um fascista empedernido, pouco mais que um discípulo de Hitler. 

O problema é que a questão dos refugiados e migrantes é um assunto complexo que não cabe num comentário do Facebook, num post de um blog, num pequeno vídeo no Youtube, nos 140 caracteres do Twiter, nem em qualquer outro formato de qualquer outra rede social. Ser capaz de pesquisar no Google não transforma ninguém em especialista de assunto nenhum e descarregar uma aplicação que transmite notícias ao minuto não nos torna mais informados.

A nossa geração, a geração da Internet no telefone e das notícias instantâneas, tornou-se incapaz de ajuizar qualquer facto. A nossa sociedade vive de causas e histerias que duram dias ou, com sorte, semanas. Neste momento são os refugiados. Há pouco tempo era o leão Cecil, antes a destruição de Palmira, o Charlie Hebdo, e por ai fora. Quantos é que hoje ainda se lembra de Koni, que há três era o maior criminoso de guerra do mundo?

Ora, o drama humanitário a que todos nós assistimos, de centenas milhares a tentar entrar na Europa, não tem uma solução fácil. Não se trata simplesmente de ser a favor ou contra os refugiados e os migrantes. Ou de simplesmente deixar entrar ou repatriar.

De facto, a maior parte dos argumentos que ambos os lados defendem são verdade. É verdade que a grande maioria daquelas pessoas não tem nada, é verdade que muitos fogem da guerra, é verdade que a maior parte são inocentes, é verdade que muitos só querem paz e sossego. Também é verdade que no meio daquelas multidões haverá extremistas, é verdade que há a possibilidade de existirem terroristas “plantados” entre os refugiados, é verdade que a Europa não tem capacidade para simplesmente acolher toda aquela gente, é verdade que muitos desprezam o Ocidente e os valores europeus e é verdade que podem vir a constituir um perigo para a Europa.

Dito isto, sabendo que existe um longo trabalho pela frente, sobra a questão: o que fazemos diante dos que nada têm e nos batem à porta? 

A minha pergunta não é como é que os acolhemos, nem como é que os vamos sustentar, ou como é que garantimos que eles não nos façam mal, ou como é que resolvemos o problema para eles não terem de fugir. Essas são as questões que teremos que tratar depois.

A questão é muito concreta: estão pessoas a morrer para chegar à Europa, estão pessoas desesperadas, sem terem nada a bater à porta. O que vamos fazer? 

A Europa foi fundada pelo Cristianismo. Os valores do Ocidente nascem da ideia cristã de que todo o homem é criado à imagem e semelhança de Deus. Erguer um muro e deixar os refugiados e os migrantes entregues à sua sorte não é defender os valores europeus, é negar os valores europeus. Fechar a porta na cara a quem nos procura não é defender o ideal cristão é nega-lo. Não é possível defender o cristianismo, a cultura cristã, através da sua negação.
Depois de acolher-mos estas pessoas podemos fazer várias coisas: criar campos de refugiados, repatriar os emigrantes que não cumpram os requisitos para entrar na Europa, acabar com a guerra na Síria e no Iraque para que os refugiados possam voltar, prender os terroristas infiltrados, vigiar os suspeitos de extremismo.

Aquilo que não podemos fazer, ou que não podemos fazer sem negar a identidade europeia, é deixar aquelas multidões entregues à fome, à pobreza, aos traficantes de pessoas. Entregues à morte.

Não sei como resolver o problema dos refugiados e dos migrantes. Não sei como manter a Europa a salvo de potenciais actos de terrorismo ou de uma invasão moura. Só sei o que Cristo disse há dois mil anos e que a Igreja continua hoje a repetir:

«O Rei dirá, então, aos da sua direita: ‘Vinde, benditos de meu Pai! Recebei em herança o Reino que vos está preparado desde a criação do mundo. Porque tive fome e destes-me de comer, tive sede e destes-me de beber, era peregrino e recolhestes-me, estava nu e destes-me que vestir, adoeci e visitastes-me, estive na prisão e fostes ter comigo.’

Então, os justos vão responder-lhe: ‘Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber? Quando te vimos peregrino e te recolhemos, ou nu e te vestimos? E quando te vimos doente ou na prisão, e fomos visitar-te?’ E o Rei vai dizer-lhes, em resposta: ‘Em verdade vos digo: Sempre que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim mesmo o fizestes.’

Em seguida dirá aos da esquerda: ‘Afastai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, que está preparado para o diabo e para os seus anjos! Porque tive fome e não me destes de comer, tive sede e não me destes de beber, era peregrino e não me recolhestes, estava nu e não me vestistes, doente e na prisão e não fostes visitar-me.’ Por sua vez, eles perguntarão: ‘Quando foi que te vimos com fome, ou com sede, ou peregrino, ou nu, ou doente, ou na prisão, e não te socorremos?’ Ele responderá, então: ‘Em verdade vos digo: Sempre que deixastes de fazer isto a um destes pequeninos, foi a mim que o deixastes de fazer.’»

É verdade que esta migração pode trazer o fim da Europa. Se acolhermos todos os que hoje procuram entrar no nosso continente o fim poderá eventualmente acontecer pela violência. Mas se lhes negarmos a entrada, deixando-os entregues a si mesmo, a Europa acaba seguramente. Não por mãos alheias, mas pelas suas próprias.

7 comentários:

  1. Discordo do excerto.
    A pretexto da bondade esculpida nas Sagradas Escrituras, não podemos relegar o fato de que foi preservando os valores da Santa Madre Igreja é que a Europa se fez. Não procuram os países ricos do Oriente como Arábia, Omã, Catar, Kwait. Vão dizer alguns que esses países não os acolhe, pois então que se fizesse pressão internacional, eis que são pertencentes à cultura dos "refugiados".
    Sentimentalismos é que vão destruir a Europa, caso seja esse o mote para com os "refugiados".
    Temos um bom exemplo de Israel, que não abre suas fronteiras, a não ser a conta-gotas, para estrangeiros. E faz muito bem!
    Aliás, há fortes indícios de que façanhas como a dos "refugiados" tenha as mãos sujas dos Iluminati e da Fabian Society, eis que comprovadamente os "pobres" coitados pagão alguns milhares de dólares pelas travessias. Será que são eles que pagam? Há notícias de que entre eles, cristãos foram jogados ao mar e outros assassinados ao chegar no "decantado" solo europeu.
    A Europa já está pagando caro por décadas de governantes socialistas e está em sua fase final na destruição dos valores que, até então, não entregaram de vez o mundo nas mãos de Lúcifer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. este comentário é a gozar certo? só para garantir

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

      Eliminar
  2. Há no meio Ocidental umas gentes que preferem ignorar os assombros hodiernos. Estão anestesiadas ou acham que tal desordem não chegará ao vosso quintal. Vivem como numa redoma e bastante desapercebidos até que o tsunami os consuma.
    Outros são coniventes com a desenfreada alteração das coisas e deixam que o desastre siga seu rumo.
    Mas ao contrário de muitos, sempre, e graças a Deus, há pessoas que estão dispostas a resistir à idiotia politicamente correta e às desgraças que nos acomete pela leniência de outros tantos e mesmo pela ação de não poucos celerados.

    Esperança há e nos foi dado pela prodigiosa e salvífica frase:

    "por fim, o meu imaculado coração triunfará"
    SMF

    ResponderEliminar
  3. Se assim acontecer, então a prática da ideologia cristã servirá como forma de destruição da sociedade ocidental européia, uma vez que com a entrada massiva desses imigrantes, ao decorrer de poucas gerações, haverá uma substituição demográfica, cultural e religiosa da população européia. Não sei se há alguém por trás da formação da "Eurábia" mas em momentos de crise como esse, é preciso ser pragmático, rejeitar esses imigrantes, mesmo que no momento signifique desrespeitar os valores religiosos, numa esfera maior significará a preservação e defesa do Cristianismo.

    ResponderEliminar